sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Os maconheiros da USP mostram seu valor

A USP detém por várias décadas o controle total de seu território, de maneira que um acordo pacífico sempre   garantiu à própria universidade a autonomia de manter a ordem em sua àrea acadêmica (que inclui alunos residentes ali), até porque, seria desnecessário ocupar a polícia, braço forte do estado, com estudantes inofensivos que dedicam a maior parte dos seus dias em estudar diferentes àreas de conhecimento em um centro de saber reconhecido internacionalmente.

Mas a USP virou uma pequena Holanda desgovernada no estado de São Paulo, onde ativistas de teorias de conspiração anti-globo se acham visonários incompreendidos e o pior, se vêem no direito de responder com vandalismo iniciativas oficiais de dar fim ao seu FUMACÊ:


Alunos querem fim de convênio entre USP e PM para deixar prédio
Os estudantes da Universidade de São Paulo (USP) que ocuparam o prédio de administração da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) na noite de quinta-feira, após confronto com a Polícia Militar, afirmaram nesta sexta que vão continuar no prédio até que a universidade suspenda o convênio com a PM que permite o policiamento no campus Butantã, na zona oeste de São Paulo. O convênio foi assinado entre a reitoria da USP e a Polícia Militar em 8 de setembro, após o assassinato a tiros do estudante Felipe Ramos de Paiva, 25 anos, nas dependências do campus. Com o acordo, a PM passou a fazer policiamento ostensivo na universidade, o que aumentou as abordagens. Em nota oficial no site do Diretório Central dos Estudantes Livre Alexandre Vannucchi Leme (DCE), o grupo, intitulado "Movimento de Ocupação", pediu a revogação do convênio, a "garantia de autonômia nos espaços estudantis" e a retirada de "todos os processos criminimais e administrativos contra @s estudantes, professores e funcionári@s" (sic). A confusão começou na noite de ontem, após a PM flagrar três alunos portando maconha. No momento em que os policiais foram levar o trio para a delegacia, foram impedidos por estudantes. Um grupo de cerca de 300 alunos se aglomerou para protestar contra a presença policial no campus, e a polícia chamou reforço. Os manifestantes cercaram a viatura que levava os estudantes e a polícia usou cassetetes e bombas de gás lacrimogêneo para dispersá-los. Viaturas ficaram danificadas. Os estudantes assinaram um termo circunstanciado no 91º DP e foram liberados. O Movimento de Ocupação classificou a ação da PM de "repressão policial", "violento confronto físico", "agressões com gás lacrimogênio, spray de pimenta, bala de borracha e cassetete" e "truculência". O grupo ainda acusou o reitor da USP, João Grandino Rodas, de querer reprimir os estudantes. 

 Sohhhh...

tags: estudantes da usp,
e verdade que maconha,
alunos usando fumando.
Comentários
6 Comentários

6 Comentários. O que VOCÊ acha?:

  1. Há uma plantação ali atrás.

    ResponderExcluir
  2. é como Disse um jovem pro JH..
    '' Se Tem policiamento nas ruas de são paulo, pq não teria ali tbm ja que a universidade passa onibus e tals''.

    TensoO

    ResponderExcluir
  3. Bando de maconheiros!
    Chama o BOPE pra dar uma coça nesses financiadores do tráfico!

    ResponderExcluir
  4. Lá ta pior que a cracolândia...

    ResponderExcluir
  5. Tropa de choque neles! não é só em favelas que se deve combater drogas/trafico! tem que mostrar pra mauricinho que o buraco é mais em baixo!

    ResponderExcluir
  6. É APENAS UMA MINORIA DE MACONHEIROS, QUE QUEREM CONTINUAR TENDO O PRIVILEGIO, DE CONTINUAR USANDO ESSA IMUNDICE DENTRO DE UM ESPÇO VOLTADO PARA FORMAÇÃO DE PROFICIONAIS. IMAGINE ESSES MACONHEIROS ATENDENDO O PUBLICO QUANDO FORMADOS.

    ResponderExcluir

Incluir links nos comentários

Fãs